01 set
2017

Embora o comércio eletrônico esteja crescendo mais rápido do que qualquer outro setor de varejo, a oportunidade para os estabelecimentos tradicionais não está extinta, ela simplesmente mudou.

No primeiro trimestre de 2017, mais de 75% dos compradores com mais de 15 anos compraram algo online.

Embora o comércio eletrônico esteja crescendo mais rápido do que qualquer outro setor de varejo, a oportunidade para os estabelecimentos tradicionais não está extinta; é simplesmente uma proposta de valor diferente aos olhos do cliente.

Os lojistas que reconhecem as diferentes lentes com as quais os consumidores veem o mundo ao comprar on-line versus comprar pessoalmente, podem projetar uma estratégia que alinhe com as necessidades dos consumidores, independentemente de onde eles compram. Aqui está o porquê:

O preço da conveniência e das expectativas dos produtos

Comprar on-line deu aos clientes o controle sobre o que eles pagam, e de quem compram – mas o produto em questão é um fator importante no porquê eles compram on-line ou pessoalmente. É sabido que os consumidores provavelmente comprarão itens familiares e de marca conhecida com qualidade que eles podem prever razoavelmente on-line.

No entanto, se o item que eles procuram não é familiar para eles, eles comprarão pessoalmente. O motivo? A probabilidade de um item desconhecido precisar ser devolvido se comprado sem ver ou provar pessoalmente supera a conveniência de comprar on-line.

Os pequenos e médios lojistas podem estrategicamente precificar e promover produtos em cada um desses canais para aproveitar essa realidade. Um produto de marca que os consumidores provavelmente já compraram antes, podendo ser encontrado entre outros 50 varejistas, pode ser mais eficientemente vendido on-line, com preços agressivos.

Os produtos novos no mercado que os consumidores precisam ver, testar ou provar pessoalmente para comprar com confiança podem justificar os custos de estoque e inventário da loja, se vendidos apenas na loja, sem grandes descontos.

Esforços diferentes, expectativas iguais.

Quando os clientes compram pessoalmente, eles estão dispostos a investir o seu tempo, dinheiro, o esforço para se deslocar para uma loja e a energia necessária para interagir – porque eles acreditam que há algum “retorno” único. Pode ser para ter o acesso a assistência pessoal no processo de compra. Pode ser pelo luxo de deixar uma loja com exatamente o que ele precisa no momento.

Embora exista o risco daquela loja não ter o item em estoque ou que ele não seja vendido ao preço mais baixo, muitos consumidores estão dispostos a assumi-lo por causa do valor percebido que a compra presencial pode oferecer.

Em contraste com a compra presencial, comprar online requer um esforço baixo, mas a expectativa do cliente não é necessariamente diferente. Os clientes compram online porque esperam escolha, transparência sobre os níveis de estoque e a capacidade de pesquisar preços, avaliações de clientes e ofertas promocionais.

As pequenas empresas que entendem como o processo de compra (na loja e online) afeta a expectativa do cliente podem aperfeiçoar as suas vendas.

Por exemplo: Se os clientes chegam a um ambiente de varejo físico esperando atenção pessoal, treine o pessoal de vendas para dar-lhes uma experiência fantástica.

Segmentação é a palavra chave para o varejo

O cliente do varejo físico deseja uma experiência de compra única, com atendimento personalizado na loja. Esse cliente não suporta o marketing massificado dos velhos tempos. Assim cada vez mais o varejo físico precisa conhecer o seu cliente e se comunicar com ele como se ele fosse o único cliente daquela empresa. Todas as ações de marketing têm que atingir o público alvo falando exatamente o que cada um precisa ouvir.

A recompensa emocional

Fazer compras é mais do que o consumismo. Pode envolver a oportunidade de passar a tarde com amigos, alterar temporariamente a forma como se percebe a si mesmo mudando a aparência física ou estando ao lado de pessoas que são caras e cuja companhia deseja-se manter. Apesar da popularidade da compra on-line, esses aspectos altamente emocionais das compras mantêm a atração por comprar pessoalmente.

Em pesquisa feita sobre comprar online ou presencialmente, quase 80 por cento dos entrevistados disseram que a satisfação instantânea era o principal benefício da compra pessoal, 75 por cento disseram que a experiência de conexão humana foi a razão pela qual eles compraram na loja.

Ao reconhecer as razões mais profundas que os consumidores compram em cada modalidade, os comerciantes podem adaptar o posicionamento de sua marca, a estética da loja, bem como as mensagens de marketing.

Comprar on-line é diferente de comprar pessoalmente – mas não é necessariamente melhor, para consumidores ou comerciantes. Ao reconhecer o valor exclusivo que cada canal oferece, os proprietários de pequenas empresas podem ser estratégicos no que vendem, por onde, a quem e por que preço vendem.

dialox
http://www.dialox.com.br
contato@dialox.com.br

Leave a comment:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *